Assessor do vereador Rolgaciano é preso por receptação de veículos, diz o G1.

df4fmelo_cDqqeS8

Um assessor parlamentar da Câmara de Itaquaquecetuba foi preso por receptação na madrugada desta quinta-feira (14) após ser flagrado dirigindo um carro com placas falsas e queixa de roubo. Segundo a Polícia Civil, o homem pagou fiança e irá responder ao processo em liberdade.

Na noite desta quarta-feira (13), o suspeito foi abordado pela Polícia Militar na Rua Uruguaiana, no Jardim Gonçalves. Os policiais checaram a placa do carro que, aparentemente, estava regular. No entanto, ao verificar o chassi do veículo, identificaram que a numeração estava raspada. Por meio do registro do motor do veículo, os policiais descobriram que o carro havia sido roubado em Suzano em janeiro deste ano.

Segundo a polícia, em depoimento, o assessor Ricardo Marcos Nogueira informou que comprou o veículo em um leilão e que pagou R$ 5 mil de entrada e assumiu a dívida das demais parcelas. O homem foi preso em flagrante por receptação, mas foi liberado após pagar fiança, segundo o delegado titular de Itaquaquecetuba, Francisco Del Poente. O valor da fiança não foi informado. O carro foi apreendido. “Nós também vamos periciar os documentos que ele apresentou”, disse o delegado. A Polícia Militar e o delegado informaram que o suspeito já tinha antecedentes criminais.

O G1 procurou o vereador Rolgaciano Fernandes Almeida (PTN), mas ele não estava em seu gabinete. O contato também foi feito por e-mail e pelo celular, mas o vereador não foi encontrado para comentar o assunto. O G1 também procurou o advogado Maurício César Bonfim, que representa o suspeito, mas ele não atendeu as ligações.

Segundo a Câmara de Itaquaquecetuba, a indicação dos assessores parlamentares fica a cargo dos vereadores. O setor de recursos humanos do Legislativo fica apenas responsável pelos trâmites da contratação. Ainda segundo o Legislativo, o assessor Ricardo Marcos Nogueira foi contratado no dia 18 de novembro de 2015, conforme consta no Portal da Transparência. Na época, não constavam registros criminais em seus antecedentes. A Câmara informou ainda que a Certidão de Antecedentes Criminais é um dos documentos exigidos durante o processo de contratação.

Fonte: G!

Do G1 Mogi das Cruzes e Suzano

 

Relacionadas

Leave a Comment